terça-feira, 2 de novembro de 2010

The Year of Getting to Know Us (2008)

.
O Ano em que nos Conhecemos de Patrick Sisam é um pequeno drama com leves toques de comédia com a participação de Jimmy Fallon, Sharon Stone, Lucy Liu, Tom Arnold e Illeana Douglas.
Aqui conhecemos a vida de Chris Rocket (Fallon) um tipo que tem um enorme receio de assumir qualquer tipo de compromissos evitando assim a desilusão, a traição ou o abandono. Esta situação coloca-o de certa forma afastado de Anne (Liu) a mulher que ama.
Um dia recebe um telefonema a dizer que Ron (Arnold), o seu pai teve um enfarte, facto que o leva de volta à sua cidade natal onde reencontra Jane (Stone) a mãe, bem como um sem número de recordações a que nós assistimos em tons de flashbacks.
Através destas recordações percebemos o quão disfuncional era a sua vida familiar e como aquilo que ele é e vive no presente foi o resultado de um sem número de traumas pelos quais passou em jovem, incluindo o receio que tem em assumir um compromisso.
O filme que reune um conjunto de actores interessante, e que até certo ponto cumprem um bom trabalho, mostra algo do qual já sentia saudades, ou seja, uma Sharon Stone em forma e a mostrar que ainda é capaz de dar prazer de ver quando bem dirigida. A mulher é uma verdadeira força, e sentimos na perfeição toda aquela fúria e energia reprimida, causa de um ambiente que não é favorável a uma alma grande demais. Grande demais para o pequeno lugar em que vive.
Este é, possivelmente, o ponto mais forte de todo o filme que não passa de um nível mediano. Tenta aquecer mas nunca passa do morno, sendo que tem momentos engraçados mas é na sua globalidade muito fraco.
Versa sobre a família e os seus problemas. Os dramas que todas as famílias têm e que, nas disfuncionais, são abundantes. Mostra o afastamento que as pessoas podem ter, ou criar, entre si e que só causa traumas ou problemas existenciais naqueles que a constituem.
Este filme mostra-nos os sonhos destroçados e a incapacidade que algumas pessoas têm de viver e de sentir. Infelizmente, e apesar de um ou outro momento mais interessante, o filme não consegue ser suficientemente bom para cativar o público como poderia.
Interessante apenas para ver uma sempre magnífica Sharon Stone e ficarmos a perguntar como é que ela não tem papéis mais dinâmicos em cinema. Vale pelo esforço...
.
.
5 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário