domingo, 18 de março de 2012

Bangkok Adrenaline (2009)

.
Acção em Banguecoque de Raimund Huber é daqueles filmes que adoramos detestar e os porquês disto são simples. Comecemos pela história, se é que existe alguma relevante, dá-nos a conhecer um grupo de quatro amigos que em viagem pela Tailândia, participam num jogo de poker que, a meio gás, lhes corre mal.
Em mãos com uma enorme dívida que têm então de pagar, e para não serem mutilados pelo patrão da mafia local, envolvem-se num conjunto de actividades mais ou menos dignas para a poderem pagar até que lhes surge a ideia de raptar uma estrela do social local e pedir por ela um resgate como forma de saldar a sua dívida de jogo.
Escusado será dizer que a partir deste momento, todo o tipo de aventuras mais desastradas e sem qualquer nexo percorrem o nosso ecrã numa "mistura" que parece não ter fim à vista. É com esta premissa, se é que assim se pode chamar, que passamos perto de noventa minutos sempre à espera de algo ainda pior... e o que é certo é que lá vai acontecendo.
O factor positivo deste filme, possivelmente o único mesmo, é que no meio de tanta parvoíce, más representações e situações completamente mal elaboradas, ele consegue ter a sua graça pois não pretende ser mais do que aquilo que é... um aglomerado de situações feitas por um conjunto de "amigos" que conseguiram filmar os desastres que iam efectuando.
Além disto não há mais nada, absolutamente mais nada, a poder dizer sobre aquilo que vemos... Entretém (estupidamente) durante pouco mais de hora e meia e já está... não é nenhuma pérola que iremos mais tarde recordar (e o mais tarde são cinco minutos depois do seu final) e, além disso, nem sei até que ponto se pode considerar isto como sendo um "filme" mas, o que é certo, é que dentro de uma denominação muito, MUITO, alargada, este filme distrai-nos tanto como possivelmente o efeito que um qualquer charro tem para o nosso cérebro.
.
.
3 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário