quinta-feira, 9 de junho de 2011

Somers Town (2008)

.
Somers Town de Shane Meadows reune uma vez mais o realizador com o jovem actor Thomas Turgoose numa história que mais uma vez foca uma geração britânica perdida, semelhante ao que já tinha sido retratado no filme This Is England.
Por um lado temos Tomo (Turgoose) que embarca numa viagem de Nottingham para Londres na esperança de fazer algo de diferente pela sua vida. Por outro temos Marek (Piotr Jagiello) um jovem adolescente polaco que vive apenas com Mariusz (Ireneusz Czop) o seu pai que trabalha na construção dos caminhos-de-ferro, em busca de uma vida melhor.
E esta acaba por ser a matriz do filme... a busca de uma vida melhor que dia após dia encontra novos entraves para a sua prosperidade e chegada a um bom porto.
As desilusões quer sociais quer sentimentais e mesmo as familiares. A solidão inerente a cada uma destas personagens e a vontade constante de conseguirem alcançar algo de diferente e melhor estão, em todo o filme, presentes.
E é com base não só nesta mesma solidão que a amizade entre Tomo e Marek nasce, mas também na paixão crescente para com Maria (Elisa Lasowski), um empregada de café vinda de França que preenche os corações de ambos.
Este filme que não sendo mau não chega aos calcanhares de This Is England, anterior obra do realizador Shane Meadows, filmado totalmente a preto e branco à excepção dos momentos finais do filme (e perceberemos o porquê de assim ter sido feito), dá-nos um retrato algo "negro" das gerações do presente (e do futuro) e daquilo que de bom e de mau as espera.
Interessante do ponto de vista social, e do olhar de sobrevivência que nos dá destas mesmas novas gerações não é, no entanto, aquele filme choque com foi o outro anteriormente referido. Não deixa, ainda assim, de ser um interessante olhar de como podem surgir amizades entre pessoas que são, socialmente, tão díspares e distantes como Marek e Tomo.
Agradável, com interpretações sólidas e com um notável trabalho de fotografia da autoria de Natasha Braier, Somers Town é um filme que não devemos deixar passar ao lado.
.
.
6 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário