quinta-feira, 24 de março de 2011

Pandorum (2009)

.
Pandorum - Universo Paralelo de Christian Alvart tem como actores principais Dennis Quaid que agora anda numa onda de ficção científica e sobrenatural e Ben Foster naquele que é possivelmente o único papel que lhe conheço em que não faz de vilão de serviço.
O filme que conta ainda com Cam Gigandet e Antje Traue decorre num futuro longínquo onde devido ao planeta Terra estar a dar o seu último fôlego, um conjunto de pessoas decide embarcar numa viagem em direcção a um novo planeta em tudo semelhante à Terra para aí dar continuidade à espécie.
É quando Bower (Foster) e depois Payton (Quaid) acordam e não se recordam de quem são, onde estão ou qual o seu propósito que tomam conhecimento com uma ainda pior realidade... A nave onde viajavam não só parece estar parcialmente em ruínas como eles têm uma companhia bem diferente daquela com que iniciaram a viagem e da qual vão ter de se proteger caso queiram sobreviver.
Aquilo em que este filme consegue ser realmente bom é na capacidade que tem em nos transmitir uma enorme sensação de claustrofobia. O cenário, passado praticamente todo dentro daquilo que é a nave que transportou os últimos sobrevivemtes da Terra, é no mínimo sufocante. E esta sensação adensa-se quando descobrimos quem são os demais passageiros que fazem parte da tripulação e quando tomamos conhecimento do seu aspecto no mínimo... hediondo.
O trabalho de caracterização feito para os novos habitante da nave é francamente bom, e algo nojento sejamos realistas, mas também a caracterização dos principais actores é muito boa dando-lhes uma imagem verdadeiramente gasta e com ar fatigado que apenas se adensa à medida que o filme atinge o seu final.
O argumento da autoria do realizador Christian Alvart e Travis Milloy apesar de interessante e conseguir supreender para o final quando descobrimos o que realmente aconteceu, não deixa no entanto de pecar por não conseguir tornar a história ainda mais intensa ao ponto de conseguir pregar verdadeiros sustos ao espectador. A história, que não deixa de ser recorrente ao apelar aos últimos dias do planeta Terra é, no entanto, vencedora quando nos dá a conhecer não só o desfecho do planeta Terra como dos passageiros da nave que rumou a outro mundo e também do verdadeiro local onde agora se encontram.
Não é de terror e também não será o melhor filme de ficção científica de todos os tempos. Nem sequer fica lá perto. No entanto não deixa de ser uma interessante história sobre a sobrevivência do Homem e da sua sanidade bem como da sua vontade de viver e de dar continuidade à espécie num mundo que lhe é totalmente desconhecido.
.
.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário