domingo, 12 de dezembro de 2010

Human Zoo (2009)

.
Zoo Humano de Rie Rasmussen, que também produziu, escreveu e interpretou, é um interessante mas algo "louco" filme sobre a vida de Adria (Rasmussen), uma mulher albano-kosovar que, numa primeira fase se viu perseguida durante o conflito que opôs a Sérvia ao Kosovo mas que foi salva por Srdjan (Nikola Djuricko), um soldado sérvio desertor.
Uma segunda vertente que o filme foca é a vida de Adria em Marselha, já fugida da guerra e das perseguições de que era alvo, numa tentativa de levar uma vida normal mas que, como imigrante clandestina, tem todas as dificuldades legais que lhe estão inerentes. É aqui em França que tenta levar uma vida normal, que se relaciona com outras pessoas que, como ela, fugiram dos seus paises de origem e que conhece Shawn (Nick Corey), o americano libertino de quem vai gostar e com quem, percebemos irá ficar independentemente das voltas que a sua vida possa levar.
Este filme que pode por vezes parecer bastante estranho devido à sua edição de ora termos imagens de França ora do Kosovo, e para o qual temos de prestar atenção redobrada, é um daqueles filmes que começa a focar o último grande conflito pelo qual a Europa passou no última década do século XX.
Com alguma clareza, se bem que ainda escassa, temos uma abordagem aos dramas pelos quais muitas mulheres passaram durante aquele conflito, desde as mutilações às violações, e também pela desordem e falta de lei pela qual a região Balcânica passou durante os anos que sucederam os conflitos.
Vivemos assim, durante quase todo o filme, um ambiente selvático que parecia não querer cessar. Esperaríamos então que, uma vez em França, a sua vida fosse facilitada ou, pelo menos, mais compreensiva para com a sua situação. Facto que não viria a suceder mas, ao mesmo tempo, é naquele país que descobre as pessoas que mais perto irão ficar do seu coração e pelas quais está disposta a arriscar até a própria vida.
Temos então aqui uma mensagem que passa tanto pela componente dramática pois temos um breve olhar osbre o que foi a vida daqueles que passaram por este conflito mas ao mesmo tempo não é de uma forma que vitimize aqueles que sofreram mas sim um relato sobre a forma como conseguiram escapar.
E ao mesmo tempo temos também um intenso filme de acção que nos mostra como aqueles que poderiam ser as vítimas da sociedade são também aqueles que mais resistência ganham perante todas as diversidades naquele que é, tal como o título do filme nos indica, um zoo humano que consome aos poucos aqueles que nele tentam sobreviver onde as nossas duas personagens principais se lançam numa cruzada muito ao estilo de uma Bonnie e um Clyde da era moderna como aliás, frisam no decorrer do filme.
Muito intenso e interessante que nos dá um olhar diferente mas contagiante de uma realidade que é, em grande medida, ainda desconhecida de todos nós e que passa desde o conflito Balcânico até ao tráfico de mulheres para a prostituição e a vida dos imigrantes ilegais que não se encontrando seguros nos países de onde são originários também não o estão naqueles que os acolhem.
.
.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário