domingo, 11 de setembro de 2016

Before I Wake (2016)

.
Before I Wake de Mike Flanagan é uma longa-metragem norte-americana presente na secção Serviço de Quarto do MOTELx - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa que hoje termina no Cinema São Jorge.
Depois da perda do seu filho num trágico acidente doméstico, Jessie (Kate Bosworth) e Mark (Thomas Jane) adoptam o jovem Cody (Jacob Tremblay), que demonstra um enorme pânico em adormecer.
Tido com um medo irracional de uma criança inadaptada fruto da sua permanência em diversos lares, Jessie e Mark assistem na mesma noite à materialização dos profundos sonhos de Cody... e se inicialmente estes se demonstram tranquilos e pacíficos, cedo o casal percebe que os seus pesadelos também irão surgir e perturbar as suas vidas.
Jeff Howard e Mike Flanagan escrevem o argumento desta longa-metragem que inserida num género fantástico cria um conjunto de momentos de suspense presos ao domínio dos sonhos e desejos reprimidos. No fundo a questão essencial que este argumento coloca é a possibilidade de visitarmos - em consciência - pessoas, momentos e lugares que a nossa imaginação e recordação gravaram como os ideias de uma vida perfeita. No entanto, e como tudo tem o seu reverso, a questão também se coloca sobre a possibilidade dos momentos menos positivos e até mesmo assustadores visitarem - nesse mesmo estado de consciência - aqueles que os esconderam evitando dessa forma, a mágoa que lhes provocaram.
Num universo que questiona a possibilidade dos sonhos, e dos pesadelos, ganharem "vida", Before I Wake floresce no seio de uma história dita "principal", ou seja, a (re)construção afectiva de uma família que perdeu um dos seus mais importantes membros. Um filho, símbolo da continuidade, do nascimento, do legado e da transformação aqui todos perdidos numa tragédia dentro da própria casa, é factor suficiente para provocar a esta família o maior dos pesadelos... O que aconteceria, compreendendo a materialização de desejos sentidos, se aquilo que mais se deseja e perdeu pudesse - nem que por breves instantes - voltar a estar numa presença física conferindo alguns breves momentos de afecto, toque e sensação mesmo que relativamente ilusórios por não serem - de facto - reais? Nesta perspectiva, o espectador questiona-se sobre uma nova noção de pesadelo na medida em que se por um lado o casal volta a estar na presença do filho... por outro este "filho" mais não é do que uma memória fotográfica sonhada e não real daquele que em tempos tiveram. Será maior pesadelo a sua perda... ou a não confirmada compreensão de que aquele momento mais não é do que um momento efémero que os faz sucessivamente reviver a perda?!
Com o elemento fantasia sempre por perto, Before I Wake é essencialmente um filme de suspense ligeiro - no qual o espectador se concentra - e que "esquece" esse pesadelo real da perda, da recuperação nunca real ou confirmada, e no reviver de um momento trágico que, esse sim, tem as devidas proporções enquanto o terror vivo e verdadeiro, difícil de esquecer e que deixa, emocionalmente, as marcas para um lento renascer daquilo que se poderá considerar como "sentir".... Voltará alguém a sentir depois de uma perda?!
Com desempenhos ligeiros e típicos do género em questão, por parte de Kate Bosworth e Thomas Jane, é um sempre emocional Jacob Tremblay que, mais uma vez, conquista o espectador, primeiro pelo seu lado frágil e emotivo e depois pela confiança no desejo expresso de que alguém possa vir a gostar dele e lhe confira aquilo que perdeu... uma família.
Com um ou outro segmento mais tenso sem que, no entanto, seja um verdadeiro filme de terror mas sim um suspense "fantasioso", Before I Wake capta o essencial de uma interessante e pouco explorada premissa - esquecendo o assumido terror dos sonhos que foi "Freddy Kruger" - sobre algo que todos registam mas poucos recordam... no fundo, o tal lado "obscuro" da mente onde todos os pensamentos, desejos, emoções, alegrias e principalmente os medos ganham forma... mais ou menos atormentando-nos no sono... e nunca garantindo que uma vez a dormir... alguma vez desse sono se consiga acordar.
.

.
7 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário