sexta-feira, 5 de abril de 2013

A Linha (2012)

.
A Linha de Adriana Martins da Silva, Pedro Martins e Sofia Nunes e que também assinam o argumento desta curta-metragem portuguesa que se encontra na secção competitiva do FESTin, a decorrer no cinema São Jorge em Lisboa.
Numa casa somos levados para uma sala onde se encontram três distintas gerações que entendemos serem de uma mesma família; a avó, a filha e a sua neta. Enquanto a avó faz o seu tricot e a mãe pensa no seu trabalho, a jovem Alice emerge do silêncio com uma mais tarde compreensível pergunta sobre a possibilidade de desfazer o que foi feito.
Quando a impaciência toma conta dos pequenos actos a que nos acostumámos, até onde irá a resistência de um conjunto de pessoas que convivem tão intimamente num espaço tão pequeno? Ou será que aquilo que presenciamos não é mais do que um reflexo tripartido de uma mesma alma que vive sob a pena e castigo dos erros cometidos no passado?
O interessante argumento desta curta-metragem consegue colocarmos numa posição de impasse durante a maior parte da sua duração. Por um lado percebemos que as pressões do quotidiano podem levar qualquer um a atravessar momentos mais conturbados que acabam por afecta e interferir no bom funcionamento de qualquer indivíduo e, por vezes, levá-lo a um ponto de ruptura bem próximo da queda no abismo. Por outro, aos poucos vamos recebendo alguns indícios que algo está errado com aqueles tão carismáticas personagens que assumem comportamentos e atitudes que não denotam personalidades individuais mas sim uma colectiva que criam uma acção-reacção instintiva a cada momento que passa.
A pressão e tensão existentes a cada momento colocam o próprio espaço em que a acção de desenrola, ou seja aquela casa, que inicialmente parece ampla, num espaço claustrofóbico onde tudo parece surgir de um momento para o outro e do qual não se é capaz de escapar.
Bem conseguida de uma forma geral e com um final surpreendente e cativante naquela que é uma clara e bem concluída aposta no cinema de suspense português.
.
.
7 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário