domingo, 22 de julho de 2012

Treasure Guards (2011)

.
Guardiães do Tesouro de Iain B. MacDonald é um telefilme de origem alemã com um elenco internacional que apesar de alguns rostos conhecidos não consegue alcançar o devido protagonismo. Não pela falta de qualidade daquilo que a história poderia ter sido mas sim pelo fraco dos meios que tem disponíveis.
Victoria Carter (Anna Friel) é uma arqueóloga que descobre numas escavações um pergaminho que lhe indica o paradeiro do selo do Rei Salomão que, segundo a lenda, lhe foi entregue por Deus.
Na companhia de Angelo (Raoul Bova) um representante do Vaticano e de Luca (Volker Bruch) partem em busca do tesouro não sem serem "acompanhados" por outra equipa liderada pelo pai de Victoria que fora raptado e obrigado a trabalhar contra vontade.
Quem conseguirá chegar primeiro ao selo do Rei Salomão?
Bom... se por um lado é justo dizer que este género de filme de aventuras e alguma acção que tem como pano de fundo um tema histórico consegue facilmente atrair as atenções de qualquer cinéfilo, pois nem só de filmes ditos mais "sérios" o cinema é feito, por outro lado percebemos muito cedo que aqui não vamos ter algo que seja digno de um registo positivo.
Das interpretações que pouco "calor" têm limitando-se a banais clichés típicos e vulgares no género, nem a interpretação de Raoul Bova escapa à banalidade como um homem derrotado pelo amor que dedica a sua vida à propagação da fé e dos ideais católicos. E isto já para não falar numas quantas personagens que, apesar de serem secundárias, não têm qualquer contributo relevante para o filme limitando-se a ser quase como um "tapa-buracos" cuja única e exclusiva função é encher um pouco o filme levando-o a não ter espaços mortos durante a sua narrativa.
E o mesmo se pode dizer do argumento. Banal e sem sal sabemos perfeitamente onde e quando vai suceder o quê, onde não nos surpreende pela positiva e até mesmo quem é afinal o vilão de serviço que apesar da sua grande amabilidade e voluntariedade em descobrir o tesouro revela abertamente que nada de bom poderá sair daquela sua personagem. Essencialmente é um filme sem o dinamismo necessário para o género.
Resumidamente numa frase, é o tipo de filme de domingo à tarde que mesmo sabendo ser fracota gostamos de ver pois entretém e faz passar o tempo mas que nada de memorável nos irá apresentar.
.
.
4 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário