sábado, 2 de novembro de 2013

Um Acidente Inesperado 2 (2013)

.
Um Acidente Inesperado 2 de Rúben Ferreira é a esperada sequela da média-metragem que havia estreada no início do ano com o mesmo título deste que é um jovem realizador bem prolífero nos seus trabalhos que, como todos sabemos, já conquistou o seu público alvo e mantém inabalável a sua legião de fãs e seguidores.
Novamente com um argumento de Alex Carvalho que, uma vez mais, se assume como protagonista desta agora longa-metragem, somos levados a seguir o conjunto de amigos que conhecemos da primeira entrega ainda muito alternativos mas mais moderados, dois deles (Carvalho e José Marques) agora saídos da prisão de Custóias onde passaram algum tempo pelo assassinato de uma rapariga, são esperados por um Nuno Correia que continua a dever muito à sua inteligência, mas que tem a personagem que consegue ter o desenvolvimento mais positivo de todas.
Depois de uma festa de boas vindas que só poderia correr mal e reserva as suas surpresas aos protagonistas, somos então levados num conjunto de aventuras que, em relação ao título original, conseguem surpreendentemente provocar alguns sorrisos bem dispostos.
E passo a explicar... Ao contrário do título original, Um Acidente Inesperado 2 consegue superar aquilo que dele esperávamos e desenvolver mais algumas das personagens secundárias, nomeadamente o casal gay (interpretado por Marco Pereira e Bruno Ferreira que apesar dos clichés se mostram mais "dedicados" ao que querem transmitir), bem como o já referido Nuno Correia que consegue ter uma expedição ao estilo da National Geographic e ter assim um dos momentos mais conseguidos e bem dispostos de todo o filme. Mesmo "não querendo" somos obrigados a sorrir com aquela exploração tão... original.
Depois da tal noite de festa onde todas as memórias são perdidas e as pontas soltas dos seus caminhos parecem florescer sem explicação aparentemente possível, eis que todos nós somos levados nesta aventura quase sem limites onde o vernáculo destes amigos que tão bem conhecemos ferve e as personagens excêntricas parecem aparecer de onde menos esperamos, até terminarem numa Lisboa que aguarda, seguramente, pelo terceiro capítulo desta saga. Apesar das personagens que nos são apresentadas conseguirem constituir alguns dos momentos mais interessantes deste filme, não é menos verdade que as mesmas necessitariam de uma mais sólida exploração do seu conteúdo para se afirmarem como fundamentais na história e não apenas presenças pontuais sem conexão com a restante história... Não é perfeito e denota a fragilidade do argumento mas é momentâneamente esquecido pela boa disposição que provocam.
Ainda que Um Acidente Inesperado 2 seja ainda um dos filmes mais frágeis de Rúben Ferreira, não é menos justo dizer que supera o título original e consegue recriar alguns momentos simpáticos que melhor editados e mais compactados conseguiriam explorar o potencial que este filme tem para nos dar no campo da comédia. Exemplos disso são a já referida exploração na mata onde as personagens são cada vez mais estranhas do que aquilo que poderíamos imaginar, e onde os devaneios conseguem longe de grandes cenários recriar momentos alucinantes dignos de uma qualquer odisseia "espacial" que aqui em terra parece não ter limites.
Longe dos lugares comuns, e por vezes sem graça, que são recriados no primeiro título, aqui o argumento consegue ser um pouco mais polido (mas ainda corrosivo) e tipificar algumas das suas personagens ao mesmo tempo que percebemos querer ser feita uma homenagem a filmes como The Hangover ou American Pie onde os limites são ultrapassados e os acontecimentos se sucedem sem que ninguém consiga ter mão neles, sendo que a graça reside quando tudo se descontrola ou nos pequenos cómicos de situação como a perseguição que os "bandidos" fazem ao grupo de inocentes amigos numa carrinha que parece ter acabado de levar a hortaliça à praça, as personagens alucinadas que parecem ter acabado de sair de um hospício (aquela mata, insisto, deve ser perigosíssima) que apesar de poder ter levado um maior e melhor desenvolvimento e aprofundamento, acabam por ser o mais interessante de uma fórmula que aos poucos se apresenta algo gasta.
No final, e depois de alguns momentos bem conseguidos, aquilo que temos é um filme que precisaria de ser um pouco mais editado e eliminar segmentos considerados excessivos mas que, ainda assim, conseguiu superar o seu antecessor não sendo, no entanto, um filme que marque pela originalidade.
.
.
4 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário