segunda-feira, 7 de abril de 2014

Amor de Picadeiro (2012)

.
Amor de Picadeiro de João Paulo Maria é uma curta-metragem brasileira de ficção presente na secção da Mostra de Inclusão Social do FESTin - Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa a decorrer no Cinema São Jorge, em Lisboa.
A história desta curta-metragem decorre num pequeno circo do interior brasileiro onde uma mulher barbuda (Val Morari), a principal atracção do mesmo, é tratada de forma humilhante por todos aqueles com quem convive.
No entanto um dia, e em nome da conquista do seu amor, toma uma decisão que irá para sempre transformar a sua vida no circo como a forma como será obrigada a enfrentar o mundo com a dignidade que lhe é devida.
Depois de ter visto esta curta-metragem fiquei dividido sobre a forma como a encarar. Se por um lado vejo estar perante um trabalho cujo mote principal é a forma comocada um de nós deve encarar e exigir o respeito por si próprio e pela dignidade que nos é conferida e que aqui na personagem da mulher barbuda encaramos como algo que quando chega já vem tarde, ao mesmo tempo é também justo dizer que este filme merecia uma maior e mais ousada exploração das suas personagens, mesmo daquelas que se assumem como secundárias ao longo da trama. Pegando logo de imediato na personagem da "mulher barbuda", percebemos que a sua vida tem sido de uma constante e sistemática humilhação mas, ao mesmo tempo, nunca chegamos a saber o que a levou àquela auto-anulação e aceitação de uma vida em que nem mesmo aqueles que decidem viver à margem de um "sistema" conseguem respeitar. Esta mulher, a que a actriz Val Morari entrega corpo e alguma alma, revela ter muito mais para dar a conhecer do que aquele já de si grande detalhe que a sua condição física denota.
Assim Amor de Picadeiro é uma curta-metragem que nos cativa por um cenário e ambiente quase exótico de um Brasil profundo pelo qual o tempo não parece passar e que mantém uma certa ruralidade que quase nos faz sentir estar a viver num western distante mas, ao mesmo tempo, o espectador também sente que poderia estar perante uma história muito maior... maior do que a própria condição humana.
.
7 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário