sábado, 28 de fevereiro de 2015

Nicht (2011)

.
Nicht de Sven Spur é uma curta-metragem de ficção belga que nos conta a história de Tom (Lukas Bulteel), um jovem adolescente que vê toda a sua vida alterada quando percebe que se sente atraído por um rapaz da escola que frequenta.
Com uma longa amizade com um dos mais violentos rapazes da escola, Tom recusa e reage violentamente aos convites de Tinne (Margot Heydt) que se sente a apaixonar por ele, facto que irá despertar a ira do seu amigo.
Desde bullying a alguma violência verbal e psicológica sem esquecer a temática da identificação sentimental, Nicht e o argumento de Sven Spur consegue tecer um interessante e sentido retrato de um jovem cuja vida é violentamente afectada por todo um conjunto de sentimentos e emoções que o fazem sentir condicionado na sua liberdade e principalmente na sua forma de vida.
Em escassas horas, que cedo percebemos serem tidas num flashback que nos ilustram um culminar de situações, Nicht relata-nos o sufoco de um jovem que não tem onde se refugiar. Desde amigos que ou são bullies ou vivem com medo daqueles que o são, "Tom" reconhece nos actos praticados a outros aquilo que lhe poderá acontecer se o seu segredo fôr descoberto. É este o exacto medo que o leva a sentir-se preso, ou até mesmo encurralado, e sem soluções para além daquela pela qual opta.
O mais cativante nesta curta-metragem é, no entanto, a sua vertente psicológica que se distancia das habituais tramas da sexualidade e do seu despertar concentrando-se sim na percepção de um jovem sobre a sua "diferença" relativamente aos seus pares. Diferença essa que sente agravada face aos comportamentos daqueles com quem de mais perto convive e com as respectivas pressões de grupo a que se sente sujeito colocando num claro e óbvio conflito a compreensão do seu "eu".
Interessante e claramente sentida a interpretação do jovem Lukas Bulteel que encarna na perfeição o espírito de tantos relatos que diariamente se escutam e ainda a direcção de fotografia de Victor Maes que faz de todo o espaço um relato de uma qualquer localidade distante e inacessível onde o jogo de luzes e cores envolventes exacerbam os comportamentos.
.

.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário