sábado, 17 de março de 2012

In Ascolto (2006)

.
Projecto Echelon de Giacomo Martelli é uma longa-metragem italiana que se baseia na teoria (ou talvez não) das escutas efectuadas pela agência de segurança nacional norte-americana aos telefones e telemóveis internacionais na busca de pistas sobre aquilo que os próprios concluem ser assuntos "internos".
É neste contexto que Francesca (Maya Sansa) ao divulgar inocentemente uma informação que alguns serviços económicos norte-americanos consideram ser "assunto de Estado", a detectam, perseguem e torturam em Itália apesar da indignação de James (Michael Parks), um funcionário dos serviços se segurança.
Aquilo que inicialmente começa como uma aliança entre dois estranhos transforma-se, pela forças das circunstâncias, numa amizade que se baseia na sua própria sobrevivência.
Este tipo de filme onde a política, a economia e a corrupção estão intimamente ligadas é, na maior parte das situações, o suficiente para adivinharmos que teremos um thriller com alguma intensidade e com um conteúdo. No entanto aquilo que aqui temos é uma perfeita "salganhada" de situações que acabam por não se conseguir resolver correctamente para o seu bom funcionamento.
Por um lado temos a conspiração onde o poder das grandes multinacionais comandam, muitas vezes, o poder político, relegando assim todo e qualquer tipo de direitos individuais para segundo plano, se não mesmo para o "caixote do lixo". No entanto, a execução das ideias deste argumento juntamente com umas interpretações pouco claras e elaboradas fazem com que tudo estremeça ao ponto de não conseguir ser, em nenhum momento, credível.
As tremidas interpretações dos actores não dão qualquer credibilidade ao argumento. Num filme que se pretende sério, temos actores com interpretações estereotipadas que atingem em diversas situações o ridículo fazendo assim cair por terra todo o sentido do drama vivido por aquelas personagens. É neste exacto momento que me questiono sobre a participação de Maya Sansa neste filme, pouco tempo depois de ter interpretado o thriller político Buongirno Notte, onde a intensidade da sua interpretação é suficiente para valer todo um filme que, também ele sózinho, já é grande.
Assim, além de umas quantas premissas que nos deixam realmente a pensar sobre a nossa privacidade neste mundo já mais que globalizado, este Projecto Echelon não nos acrescenta muito ao panorama cinematográfico. É modesto, sem grandes ambições (pelo menos visíveis) e mesmo como objecto de entretenimento é limitado, concentrando a sua total atenção na conspiração político-económica e lançando umas pequenas "entradas" sobre a bondade e a Humanidade de um homem. Para tudo isto muito contribui também o facto de ser um filme italiano, com uma maioria de actores italianos mas... falado em inglês. Já muito referi sobre o facto de um filme de uma dada nacionalidade ser quase na íntegra falado noutra língua que não a sua... Normalmente, não convence. Resumidamente, distrai um pouco mas não chega a convencer.
.
.
3 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário