segunda-feira, 28 de setembro de 2015

O Mal e a Aldeia (2013)

.
O Mal e a Aldeia de Diogo Lima e David Serôdio é uma curta-metragem de ficção portuguesa em competição na primeira edição do Festival Internacional de Cinema de Economia e Gestão a decorrer até à próxima quarta-feira no ISEG, em Lisboa.
Pedro (Miguel Nunes) é apaixonado por Rosa (Júlia Belard) mas viver numa pequena aldeia é sinónimo de todos saberem da sua vida... e de algo mais.
A dupla de realizadores juntamente com Andreia Lourenço e Ana Reis escrevem o argumento desta curta-metragem que é, no fundo, uma viagem ao imaginário colectivo sobre a vida nas pequenas e perdidas aldeias do interior português... Todos se conhecem e todos sabem de tudo... Ainda que este tudo não seja, por vezes, o correspondente à verdade mas aquele que reside no íntimo de cada um e que lhes garante um pouco de agitação e energia ao poderem tecer as mais diversas ideias sobre a vida alheia. O rumor e o boato, ou como se diz em bom português... a calhandrice... são assim o serviço noticioso mais antigo do mundo... e as pequenas aldeias a sede desta globalização à referida escala.
Com uma curtíssima mas simpática interpretação de Bruno Rossi e uma fundamental - na prática o motor desta história - Custódia Gallego em mais uma das suas certamente memoráveis interpretações, O Mal e a Aldeia é uma brevíssima curta-metragem que prima pela sua simpática e bem humorada história que num estilo muito próprio consegue ainda inserir "personagens reais" na sua narrativa conferindo-lhe um ar ainda mais "credível" e que termina de forma trágic(ómica).
Interessante ainda como O Mal e a Aldeia - e de acordo com a temática deste festival - consegue em tão curto espaço de tempo inserir diversas actividades económicas e comerciais na sua história lançando uma abordagem sobre a forma como as pequenas localidades do interior sobrevivem e ainda como as mesmas conseguem lançar sobre a sua população uma verdadeira rede de interacções não se centrando apenas num local mas sim em todos os pequenos recantos da aldeia.
.

.
7 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário