domingo, 14 de dezembro de 2014

Dédalo (2013)

.
Dédalo de Jerónimo Rocha é uma curta-metragem portuguesa de ficção científica parcialmente utilizada enquanto spot publicitário da edição de 2013 do MOTELx - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa e que agora está em competição na terceira edição do Festival de Cinema Fantástik Granollers a decorrer entre os dias 18 e 20 de Dezembro na Catalunha, em Espanha e no qual tenho a honra de participar enquanto membro do júri.
Siena (Sofia Helena) está encurralada dentro do cargueiro espacial Dédalo na qual misteriosas criaturas eliminam os seus tripulantes. Ferida mas determinada a sobreviver, Siena está longe de imaginar as provações que está prestes a atravessar.
Jerónimo Rocha conseguiu criar não sei se o único mas será certamente o mais bem sucedido filme de ficção científica alguma vez feito em Portugal no qual o espectador fica preso ao dinamismo com que as primeiras imagens da Dédalo lhe são apresentadas assim como pela sua veracidade que nos faz levar a nossa mente até aos saudosos tempos da Nostromo.
Numa perfeita junção técnica de direcção de fotografia de João Lança Morais e efeitos digitais de Simon Griesser, Dédalo é aquele filme curto que não o deveria ser, isto é, depois da magnífica qualidade que aqui encontramos, esperamos que este filme não termine tão depressa e que nos conseguisse mostrar um pouco das origens desta ocupação da nave em qe se encontra "Siena" e quem são estas mortais criaturas que dizimaram toda uma população.
Intenso pela atmosfera e sinistro pela oiginal execução do espaço, Dédalo, recentemente premiada nos Caminhos do Cinema Português em Coimbra, prima pelo seu potencial enquanto filme de terror/ficção científica e pelas fronteiras que quebra em abrir portas a um género praticamente inexistente no cinema português. Destaque ainda para a criatura aqui presente que nos faz relembrar muitos dos filmes de terror norte-americanos série B e pela música de Filipe Lopes que nos faz submergir nas profundas de um espaço desconhecido.
.
.
8 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário