sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Pestilência (2014)

.
Pestilência de Bruno Santana é uma curta-metragem portuguesa de ficção e uma das candidatas ao MOV Curtas promovido pelo referido canal de televisão e cuja acção se desenrola num mundo pós-terceira guerra mundial onde a quase totalidade da população fora dizimada.
Agora os sobreviventes têm não só de lidar com um mundo devastado como também com os infectados de um vírus criado em laboratório que em vez de tratar dos sobreviventes os transformou em seres sedentos de carne humana.
Sem grandes novidades quanto ao argumento, pois na prática já assistimos a filmes suficientes do género para saber que a história gira sempre em torno da ideia de sobrevivência que nem sempre é facultada, Pestilência prezam no entanto, por um elemento fundamental para o seu bom funcionamento e que normalmente não é bem conseguido: a caracterização. Se estamos habituados a assistir a filmes do género onde os efeitos de caracterização utilizados deixam muito por desejar, aqui encontramos um retrato fiel ao género e que consegue por diversos momentos equiparar-se a produções mais bem sucedidas e certamente com meios superiores para a sua execução.
De grotesco a terrífico, Pestilência consegue superar uma boa parte dos filmes curtos do género neste departamento - um aplauso a Daniela Ramos, Veronica Zhukova, Daniela Rosa e Liliana Lopes - e marcar pela diferença positiva. No entanto não é menos verdade que no demais não chega a ser aquele filme de qualidade que conseguimos recordar como um marco essencial no género limitando o seu argumento a uma tentativa de fuga pelos sobreviventes que aos poucos caem nas armadilhas naturais de quem tenta manter-se vivo sem esquecer os poucos - e por vezes mais inteligentes - marginais que emergem em qualquer época de crise e que não dão tréguas para se conseguirem manter no topo de um mundo que já não o é.
Desde incoerências como potenciais sobreviventes que parecem ter morrido mas que depois regressam não se sabe bem como passando por uma edição frágil e desconexa com o bom seguimento da história e interpretações que de si não conseguem fazer notar o melhor do desespero do Homem em tempos de crise acentuada, Pestilência mostra ser um filme curto bem intencionado que, no entanto, cai nos habituais erros do cinema deste género. Entretém e é fiel ao que se propõe mas poderia ter sido muito mais e um interessante projecto deste género.
.
.
4 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário