sábado, 20 de fevereiro de 2016

Pronto, Era Assim (2015)

.
Pronto, Era Assim de Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues é uma curta-metragem portuguesa de animação presente na secção competitiva nacional do Córtex - Festival de Curtas-Metragens de Sintra que decorre até amanhã no Centro Cultural Olga de Cadaval.
Esta curta-metragem de animação em stop motion e 2D - com um fundo documental - relata as histórias e os pensamentos de seis idosos que, num estilo de entrevista, relatam momentos do seu passado e presente, dos seus amores e de pequenos momentos que compõem as suas memórias.
Mas estas histórias chegam-nos de forma curiosa pois são contadas através de um conjunto de personagens não humanas - vários objectos como uma Balança, uma Cafeteira, uma Caixa de Música, uma Jarra e um Microfone - que interpretam estas histórias do passado como sendo suas dando-lhes a dimensão e a personalidade desejadas para criarem empatia para com o público.
A dupla de realizadoras constrói uma história que não só é bem sucedida enquanto uma obra de animação divertida e com uma sentida veia emotiva, como consegue também ser francamente original na sua vertente documental que regista a memória individual de vidas que recordam o crescer, os laços afectivos, o primeiro trabalho e, no fundo, aquilo que foi (é) viver.
Por vezes emotivo mas sempre emotivo, Pronto, Era Assim faz então uma inteligente relação entre o idoso e o objecto que o representa - sempre de forma elogiosa enquanto receptáculo de toda uma vivência e de um conjunto de memórias - conferindo aos relatos dos seis intervenientes a característica mais prática dos utensílios, e a estes mesmos objectos a racionalidade e emotividade que caracterizam as histórias de cada um.
Afectivo e pausadamente dominante, Pronto, Era Assim consegue ser uma das mais impressionantes e sensíveis animações do(s) último(s) ano(s) tanto pela originalidade na forma como filma/cria a relação entre o passado e o presente bem como pela perspicaz "manobra" de substituir o Homem pela Máquina sem remover desta tudo aquilo que o - e também a nós - faz sentir.
.
.
8 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário