segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Dos Veintitrés (2018)

.
Dos Veintitrés de David Mora (Espanha) é a mais recente curta-metragem realizada pelo actor espanhol que aqui é também o seu protagonista numa história onde no silêncio confessional assume uma paixão (ou amor não confesso) por um seu amigo que o acompanha numa tarde estival junto à piscina. Enquanto um tenta um novo record debaixo de água, o outro verbaliza os seus sentimentos como nunca antes o havia feito.
Três breves minutos assumem-se como o ponto forte e mais frágil desta curta-metragem. O ponto mais forte por o seu argumento - também da autoria de Mora - conseguir conter o essencial de uma mensagem profundamente sentida que expõe, de forma crua e honesta, aquilo que expressa o coração de alguém que não consegue encontrar coragem para dizer (na realidade) a quem interessa. Ali, de forma cúmplice e pessoal, é com o espectador que é partilhada a mensagem de uma vida, os sentimentos de um momento não tão breve e claro, toda a frontalidade que apenas os sentimentos mais honestos conseguem conter. Por outro lado, é a curta duração deste filme que expõe o espectador a uma maior necessidade de saber e conhecer o passado destas duas personagens, visto que uma é meramente decorativa para o desenvolvimento da história, de forma a saber como funciona a dinâmica entre ambas e o passado mais ou menos comum que contribua para este desabafo tão intenso por parte do protagonista (mais uma vez David Mora).
Intensa pela dinâmica estabelecida entre a personagem e o espectador, Dos Veintitrés termina talvez naquele momento em que se espera um pouco mais do que poderá ser confessado mas, ao mesmo tempo, dois minutos e vinte e três segundos de toda uma confissão que apenas pode ser confirmada naquele instante confere muito mais do que provavelmente toda uma vida onde tudo (ou talvez nada) se esconde. Talvez seja esse o ponto forte desta história... deixar na sugestão do "e depois" causado junto do espectador que reside toda uma dinâmica das possibilidades sentimentais que este conto encerra.
.

.
6 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário