domingo, 5 de abril de 2015

Bestas (2015)

.
Bestas de Rui Neto e Joana Nicolau é uma curta-metragem portuguesa de ficção e a vencedora do primeiro Sophia Estudante atribuído pela Academia Portuguesa de Cinema.
Lucas (Guilherme Galhardo) e Rita (Beatriz Coelho) são dois amigos vindos de um meio empobrecido. Lucas vive numa roulotte perdida no meio de um qualquer descampado e onde a sua mãe (Sara Graça) recebe clientes para mais algum rendimento ao final do dia. Mas um dia Lucas convence Rita a espiar um homem (Rogério Jacques) que esteve em sua casa. É este encontro que irá mudar para sempre as suas vidas.
O argumento que é também da autoria de Rui Neto e Joana Nicolau leva o espectador por uma viagem a um território anónimo mas que, no entanto, está repleto de um sentimento de solidão e abandono, de miserabilismo e de sobrevivência que em consonância obrigam os seus habitantes a uma vida de um total desgaste. Desgaste este que se percebe pela suas carências e principalmente pela forma como interagem entre si onde os elos são unicamente aqueles presos pela resistência face a mais um dia mas que se dissipam quando o mesmo chega.
No entanto, é esta incansável busca de algo, que poderemos deduzir pelas palavras da "Mãe", ser uma busca pela felicidade e pela realização de um sonho de vida melhor, que alguns dos intervenientes encontram aquilo que pensam ser um início desse desejo. A amizade estabelecida entre "Lucas" e "Rita" é disso sinal e entre a miséria comum que encontram no espaço onde vivem e que de certa forma os "forma" na sua jovem idade confere-lhe, ao mesmo tempo, aquela potencial mudança que se avizinha. A questão que então se coloca é se esta mudança - para melhor - alguma vez chegará.
Num meio que é assumidamente rude e onde as oportunidades são escassas ou inexistentes, estes dois jovens têm apenas na sua amizade a única salvação possível mas Bestas questiona o espectador na perspectiva de o que pode acontecer quando um dos dois intervenientes falha na defesa dessa mesma ligação. Poderá uma amizade resistir quando um falha não correspondendo na defesa da mesma? Existirá fidelidade quando se falha na defesa de um dos elos mais frágeis perante um agressor potencialmente mais forte? E no final, o que acontece quando aquele que fugiu é confrontado pela sua falha? Conseguirá ele justificar-se e sair ileso?
Com uma direcção de fotografia ímpar da autoria de André Vieira que confere a todo aquele espaço geográfico a imagem de uma desolação que é não só geográfica como principalmente psicológica, Bestas é ainda uma pequena pérola a nível narrativo e interpretativo conferindo a todas as suas personagens uma alma - por mais podre que ela possa parecer ser - que é representada por um conjunto de fortes actores que a dominam sem a deterem. O desespero é uma constante nos seus rostos ainda que procurem a felicidade - ou a esperança - a cada momento que passa. Guilherme Galhardo e Sara Graça são duas forças constantes e cada um à sua própria maneira tenta resistir num espaço que ao ar livre os enclausurou. Ambos sabem que as suas oportunidades serão escassas mas tentam... Tentam mesmo contra os seus princípios - que os têm mas vagamente esquecidos - e o espectador percebe que este desespero está muito para além do espaço em que se encontram ou das dificuldades económicas que possam ter. Este desespero consumiu-lhes a alma, as ideias, as esperanças e os seus princípios que esperam um dia poder recuperar... A questão é se alguma vez o conseguirão?!
Intenso pela sua vertente crua que expõe silenciosamente o lado mais selvagem e animalesco de cada uma das suas personagens, Bestas é o filme que expõe o irracional da racionalidade sabendo o espectador que tal como a mentira, tudo avança... Mas jamais poderá voltar atrás para ser emendado.
.

.
"Mãe: (...) ficarei eternamente à espera que a felicidade me encontre ainda."
.
8 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário