domingo, 27 de novembro de 2011

Natália, A Diva Trágicómica (2011)

.
Natália, A Diva Tragicómica de João Gomes é um interessante documentário sobre a vida desta mulher se tornou conhecida de um grande público graças às intervenções cómicas de que foi alvo principalmente através da caricatura humoristica que Herman José tanto divulgou à custa da canção "O Nosso Amor é Verde".
O documentário de João Gomes dá-nos um bom enquadramento daquilo que foi a vida desta mulher. Da sua faceta de cantora e da felicidade que isso lhe proporcionava. O facto de poder cantar, deixando de lado os juízos de valor de que era alvo e vítima, causavam a Natália de Andrade um perfeito sentimento de satisfação que aposto em muito lhe alegravam a vida.
Várias são as imagens que nos mostram de Natália, quer em fotografias em vários períodos da sua vida ou filmagens dos vários programas por onde passou e até mesmo capas dos discos que gravou. O que é certo é que em filmagens o seu olhar era o de uma mulher satisfeita com o que fazia e contente por poder exercer o canto, independentemente daquilo que os outros pudessem dizer (se bem que duvido que ela pensasse nisso sequer).
Este documentário que a RTP2 teve a coragem de exibir (chamo-lhe coragem porque é tão raro passarem documentários na televisão, mais ainda o será se considerarmos que esta não é uma figura de topo do nosso panorama nacional) foi, por mim, muito apreciado. Gostei de perceber o que se escondia por detrás daquela mulher que tanta gargalhada causava mas que tão pouco lhe conhecia e, ainda assim, fiquei a desejar que mais tivesse sido abordado sobre a sua vida pessoal. O que se esconde por detrás daquela figura tão cómica e de uma voz que, sejamos honestos, muito pouco melodiosa era.
Temos de facto um olhar dela através de testemunhos de alguns que com ela mais privaram mas, ainda assim, não dá um retrato completo da mulher. Continuamos a saber pouco sobre Natália, a mulher para saermos mais sobre Natália, a Diva mais trágica do que cómica.
Críticas à parte sobre o que Natália de Andrade cantava, ou julgava cantar, o que é certo é que um aspecto tornou-se recorrente neste documentário. Muitos foram aqueles que ao longo dos cinquenta minutos de duração referiram que Natália, acima de tudo, gostava de cantar. Não se sabendo se ela pensava saber realmente cantar, o que é certo é que todos comentam que ela gostava. E isso podemos verificar pelos diversos excertos de gravações onde mesmo perante tantas adversidades, Natália tinha um olhar feliz. Feliz por estar num palco a cantar perante o seu público e outros tantos milhares através da televisão.
Gostemos ou não certo é que Natália de Andrade é referenciada em diversas fontes... internet, publicações sobre as Divas Iludidas, programas humoristicos e agora um documentário... Gostemos ou não teve (tem) o seu lugar na História por muito pequeno e breve que seja, e muito agradeço a este documentário por ter mostrado um pouco mais desta mulher além daquele pequeno trecho sobre o "nosso amor ser é verde" que graças a Herman José está ainda hoje nas nossas memórias.
Interessante documentário sobre uma figura mítica (que o é), e que merece ser visionado. Aos interessados passa novamente hoje na RTP2.
.
.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário