sábado, 19 de julho de 2014

Man on Wire (2008)

.
Homem no Arame de James Marsh é um documentário em formato de longa-metragem de produção norte-americana e britânica centrado nos acontecimentos em torno de Philippe Petit aquando da sua travessia aérea entre as duas torres do World Trade Center, em Nova York em 1974 considerado, então, o "crime artístico do século".
Este documentário vencedor do Oscar na sua categoria explora através de imagens de época e testemunhos actuais dos seus principais intervenientes, um dos mais mediáticos acontecimentos da década de '70, as memórias pessoais daqueles que nele participaram bem como as suas consequências no futuro imediato que perduram até ao presente e que os viriam a alterar para sempre.
Através destas entrevistas, o espectador consegue compreender algumas das motivações ainda que, de certa forma, fique claro que a vontade de fazer este "crime artístico" mais não fosse do que uma satisfação pessoal do ego para todos, assim como as frágeis relações de amizade e sentimentais que estavam envolvidas em todo o processo. Tendo não só a cidade de Nova York como o próprio World Trace Center - hoje uma imagem na memória colectiva - como algumas das suas personagens participantes deste relato, Man on Wire é sobretudo o registo de um acontecimento que prima principalmente por ter como pano de fundo o local em que foi efectuado e que se constitui - hoje - como um elemento do momento mais negro da História de uma cidade. Obviamente que todos o recordam como um momento da ida década de '70 quando, afinal, o próprio WTC era um marco recente que definia o horizonte da cidade mas observando hoje este documentário permanece a questão sobre a relevância do mesmo - mais de quarenta anos depois -, não fossem os trágicos acontecimentos que marcaram para sempre a cidade em 2001.
Interessante do ponto de vista histórico e de definição da "alma" de um dos ícones mais intimamente ligados à cidade, e dessa forma da sua própria identidade, bem como pelos testemunhos daqueles que marcaram aquelas horas da década de '70, Man on Wire é um documentário que se prende principalmente com a memória de Petit e das suas amizades - de então - assim como dos diversos desafios que efectuava para desafiar a lei, o (im)possível e, dessa forma, os seus próprios limites... se é que alguns.
Assim, e se retirarmos esta componente pessoal e histórica que cruza a essência deste documentário, permanece uma única questão que me "atormenta" neste relato... qual a humanização da história por detrás da História na medida em que nunca são exploradas a fundo as relações que findaram após esta "travessia entre torres", nem tão pouco a actualidade das mesmas... afinal, as amizades não terminam simplesmente porque sim ou por um evento que não correu tal e qual como se esperava...
Relevante - quando contextualizado - e dinâmico - por momento -, Man on Wire nunca chega a ser cativante o suficiente para sobreviver para lá da importância histórica do local em que todos os acontecimentos ganharam forma.
.

.
4 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário