quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Miradas (2013)

.
Miradas de Antonio Heras é uma (mini) curta-metragem espanhola de ficção de temática LGBT onde numa breve viagem de autocarro dois olhares se cruzam revelando incertezas e descobertas apenas disponíveis ao olhar do espectador.
Ainda que pertinente na abordagem à ideia de que o amor - ou a atracção - pode ocorrer em qualquer lugar, Miradas expõe as boas intenções do seu realizador em criar uma história pertinente e actual mas que, ao mesmo tempo, o expõe em toda a sua fragilidade. Das oscilações de câmara dado o lugar em que é filmada a toda uma captação de som exterior que prejudica a dinamização da história e do único diálogo que nela é proferida, Miradas abraça a ideia de um sentimento por explorar que, no entanto, se perde pelos elementos que fazem o espectador concentrar-se não nela - história - mas sim nas suas fragilidades e fraquezas.
Ao mesmo tempo, e para lá das incertezas reveladas pelo protagonista, Miradas deixa ainda a porta aberta para uma continuidade desta dinâmica que, no entanto, não só não é aqui explorada - pela curta duração do filme em questão - como pela impossibilidade ou falta de necessidade de criar outro filme que lhe desse um desfecho mais digno. Ainda que as intenções do realizador se compreendam em deixar todo um campo de oportunidades e ideias em aberto, o fraco clímax entregue para a conclusão deste filme curto deitam - relativamente - todos os seus objectivos a perder.
Não basta pegar numa câmara e filmar uma ideia... há que honrá-la e entregá-la não só a uma conclusão digna como sobretudo tratá-la e cuidá-la para que tudo aquilo que surge no ecrã pareça, de facto, intencional.
.

.
3 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário