quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Flechazos (2017)

.
Flechazos de Roberto Pérez Toledo é uma curta-metragem espanhola de ficção cujo argumento - da autoria do realizador - versa sobre os improváveis caminhos de um amor não confessado.
Dois amigos num centro comercial combinam declarar-se a dois estranhos que se encontram no mesmo espaço. Ela (Marta Fuenar) abordar um homem que procura roupa. Não os escutamos para lá do essencial. Ele (Jorge Yumar), aborda uma mulher no mesmo departamento e escutamos aquilo que lhe diz. Passamos instantes Ele e Ela reencontram-se no mesmo banco para uma inesperada confissão.
Nada como Pérez Toledo para que, em breves minutos de duração destas suas inúmeras incursões aos reflexos do amor no cinema curto, para encontrarmos na essência de Flechazos mais uma sentida abordagem ao mais puro e nobre dos sentimentos. Aquilo que começa como um jogo amoroso - ou pela procura do amor - onde dois amigos tendem a procurar a sua cara metade na figura de um qualquer estranho com que se cruzem, cedo se transforma numa sentida confissão de dois amigos que, afinal, sempre estiveram ao lado desse amor verdadeiro.
De tudo o que um olhar pode significar a tudo aquilo que uma presença constante, de facto, representa, Flechazos é para lá de uma simples atracção pelo desconhecido a confirmação de que é na constância de uma presença cúmplice e, de certa forma, protectora que se encontram os caminhos em comum, a verdadeira atracção e eventualmente o tal amor que se espera "para uma vida".
Para o espectador mais atento à direcção de Pérez Toledo, há que notar o extremo cuidado que o realizador dá ao trato e trabalho com os seus actores masculinos que persistentemente assumem uma centralidade dominante nas suas obras - muito semelhante a Almodóvar com as suas personagens e actrizes. Ainda que toda uma história gire em torno de um vasto conjunto de personagens - tanto nas suas curtas como nas suas longas-metragens - o espectador pode verificar que existe um traço semelhante em todas elas ao conferir uma predominância ou até mesmo protagonismo nas suas personagens masculinas escolhendo para lhes dar corpo e alma um conjunto de novos talentos do cinema espanhol como é aqui o caso de Jorge Yumar que dinamiza à sua volta toda esta história de um amor não confessado.
.

.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário