quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Second in Command (2006)

Em Território Inimigo de Simon Fellows conta com a participação de Jean-Claude Van Damme e isto de certo forma denuncia logo todo o filme.

Colocado como adido militar num país da Europa de Leste, Keenan (Van Damme) chega exactamente no momento em que se sentem perturbações políticas no país e claro, vai ser ele o centro de todas as atenções como o defensor de todos aqueles que se encontram retidos na embaixada dos Estados Unidos.

Os revoltosos como não poderia deixar de ser, aparentam todos ter ar de gente da montanha com grandes caparros mas qb broncos para não verem nada à frente a não ser a possibilidade de rebentar com mais umas quantas paredes e emitirem o conjunto habitual de grunhidos que não se percebe se é disfunção ou se é simplesmente porque não sabiam o que escrever para eles dizerem. Como acrescente a este trágico factor, o armamento parece abundar nas suas mãos, e tantam puxam de uma espingarda como de uma metralhadora ou até de um lança mísseis. Não lhes falta de nada. Muito menos a vontade e o gosto por arrasar e exterminar.

No entanto, há sempre um "mas", e esse "mas" é que à espera de todos eles está como já é bem óbvio, Van Damme. Ele mata, esfola, extermina, salva, salta, protege e acaba no final sentado a apreciar o cenário como se nada se tivesse passado ali e muito menos com ele.
Resumo geral deste filme ? É fraco... é óbvio que é muito fraco... Muito murro, muito pontapé, muito morto, muito grito e muita explosão. De resto absolutamente mais nada é de facto produtivo ou novo aqui, e é daqueles filmes que apenas vale pela distracção que nos provoca durante pouco mais de hora e meia, assumindo-se assim como mais um filme à la Van Damme que tem muito pouco conteúdo, que tem uns efeitos especiais em geral meio rascas e desconexos que tão depressa é visto como ainda mais rápido é esquecido.




3 / 10

Sem comentários:

Publicar um comentário