sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Screen Actors Guild Lifetime Achievement Award 2018

.
Depois de terem sido anunciados os nomeados aos Screen Actors Guild Awards, foi também revelado o nome do actor premiado com o prémio carreira do respectivo sindicato. Sucedendo a Lily Tomlin - vencedora em 2017 - a próxima edição dos Screen Actors Guild Awards irá ter como convidado de honra o actor Morgan Freeman a distinguir com o prémio por uma vida dedicada às artes performativas.
.
.
Com uma carreira cinematográfica iniciada em 1964 - em The Pawnbroker, de Sidney Lumet à qual se seguiram A Man Called Adam (1966), de Leo Penn e Where Were You When the Lights Went Out? (1968), de Hy Averback- foi, no entanto, apenas em 1971 que Freeman teve o seu primeiro crédito reconhecido na longa-metragem Who Says I Can't Ride a Rainbow, de Edward Mann. A década de '70 viria a assistir a uma carreira predominantemente televisiva por parte do actor, tendo apenas voltado ao cinema em Blade (1973), de Ernest Pintoff.
Brubaker (1980), de Stuart Rosenberg marcaria o início da década de '80 à qual se seguiriam Eyewitness (1981), de Peter Yates, Harry & Son (1984), de Paul Newman, Teachers (1984), de Arthur Hiller, Marie (1985), de Roger Donaldson, That Was Then... This Is Now (1985), de Christopher Cain e Street Smart (1987), de Jerry Schatzberg que lhe conferiu a sua primeira nomeação a Oscar na categoria de Melhor Actor Secundário. Clean and Sober (1988), de Glenn Gordon Caron seria a sua única interpretação naquele ano, mas 1989 chegaria com alguns dos títulos mais emblemáticos do actor nomeadamente Lean on Me, de John G. Avildsen, Johnny Handsome, de Walter Hill, Driving Miss Daisy, de Bruce Beresford (e a sua segunda nomeação a Oscar agora enquanto Melhor Actor) e ainda Glory, de Edward Zwick.
Os êxitos - comerciais e da crítica - chegariam com o início da nova década através de títulos como The Bonfire of the Vanities (1990), de Brian De Palma e Robin Hood: Prince of Thieves (1991), de Kevin Reynolds aos quais se seguiram The Power of One (1992), de John G. Avildsen e Unforgiven (1992), de Clint Eastwood. Em 1994 chegaria aquele que é considerado um dos melhores filmes da década The Shawshank Redemption, de Frank Darabont pelo qual Freeman viria a receber a sua terceira nomeação a Oscar, novamente enquanto Melhor Actor. Em 1995 o actor regressaria aos êxitos comerciais e da crítica através de Outbreak (1995), de Wolfgang Petersen e Se7en (1995), de David Fincher considerado um dos clássicos do século passado. Moll Flanders, de Pen Densham e Chain Reaction, de Andrew Davis chegariam em 1996 e Kiss the Girls, de Gary Fleder e Amistad, de Steven Spielberg seriam as obras que se seguiriam em 1997. A década viria a terminar com as suas participações em Hard Rain (1998), de Mikael Salomon e Deep Impact (1998), de Mimi Leder.
O novo século iniciar-se-ia com Under Suspicion (2000), de Stephen Hopkins na qual voltaria a colaborar com Gene Hackman e Nurse Betty (2000), de Neil LaBute e Along Came a Spider (2001), de Lee Tamahori, High Crimes (2002), de Carl Franklin, The Sum of All Fears (2002), de Phil Alden Robinson. Levity, de Ed Solomon, Dreamcatcher, de Lawrence Kasdan e Bruce Almighty, de Tom Shadyac marcariam o ano de 2003 enquanto que em 2004 interpretaria The Big Bounce, de George Armitage e Million Dollar Baby, a sua nova colaboração com Clint Eastwood, e o seu primeiro e único Oscar à data, na categoria de Melhor Actor Secundário.
O ano de 2005 ficaria marcados pelas interpretações de Morgan Freeman em Unleashed, de Louis Leterrier, Edison, de David J. Burke, Batman Begins, de Christopher Nolan, An Unfinished Life, de Lasse Hallström e a sua participação enquanto narrador em War of the Worlds, de Steven Spielberg.
Na primeira década do novo século viria ainda a interpretar Lucky Number Slevin (2006), de Paul McGuigan, 10 Itens or Less (2006), de Brad Silberling, The Contract (2006), de Bruce Beresford, Evan Almighty (2007), de Tom Shadyac, Gone Baby Gone (2007), de Ben Affleck, Feast of Love (2007), de Robert Benton, The Bucket List (2007), de Rob Reiner, Wanted (2008), de Timur Bekmanbetov, The Dark Knight (2008), de Christopher Nolan, Thick as Thieves (2009), de Mimi Leder, The Maiden Heist (2009), de Peter Hewitt e finalmente Invictus (2009), de Clint Eastwood e a sua última nomeação a Oscar novamente enquanto Melhor Actor.
RED (2010), de Robert Schwentke marcaria o início da nova década e seria seguido por Dolphin Tale (2011), de Charles Martin Smith, Conan the Barbarian (2011), de Marcus Nispel - enquanto narrador -, The Magic of Belle Isle (2012), de Rob Reiner, The Dark Knight Rises (2012), de Christopher Nolan, Olympus Has Fallen (2013), de Antoine Fuqua, Oblivion (2013), de Joseph Kosinski, Now You See Me (2013), de Louis Leterrier, Last Vegas (2013), de Jon Turteltaub, The LEGO Movie (2014), de Phil Lord e Christopher Miller na qual teve uma interpretação vocal, Transcendence (2014), de Wally Pfister, Lucy (2014), de Luc Besson, 5 Flights Up (2014), de Richard Loncraine, Dolphin Tale 2 (2014), de Charles Martin Smith, Last Knights (2015), de Kazuaki Kiriya, Ted 2 (2015), de Seth MacFarlane, Momentum (2015), de Stephen S. Campanelli, London Has Fallen (2016), de Babak Najafi, Now You See Me 2 (2016), de Jon M. Chu e o remake do clássico Ben-Hur (2016), de Timur Bekmanbetov.
Já este ano Morgan Freeman brilhou no grande ecrã com as longas-metragens Going in Style (2017), de Zach Braff e Just Getting Started (2017), de Ron Shelton, tendo ainda por estrear Cold Warriors, de Raja Gosnell, The Nutcracker and the Four Realms (2018), de Lasse Hallström e Joe Johnston e Angel Has Fallen (2018), de Ric Roman Waugh.
Detentor de um invejável percurso cinematográfico e também televisivo, Morgan Freeman foi inúmeras vezes agraciado com os mais diversos troféus onde, para além do já mencionado Oscar de Melhor Actor Secundário por Million Dollar Baby, se encontram um Globo de Ouro e o Cecil B. DeMille Award entregues pela Hollywood Foreign Press Association, um Urso de Prata do Festival Internacional de Cinema de Berlim ex-aequo com Jessica Tandy pela sua dupla em Driving Miss Daisy, o Tributo do Lincoln Center, inúmeros troféus e nomeações nos Image, um SAG de Actor Secundário e diversos outros troféus e nomeações na crítica especializada incluindo um de Carreira aqui no CinEuphoria em 2011.
O Screen Actors Guild Lifetime Achievement Award será entregue a Morgan Freeman durante a próxima cerimónia dos SAG que irá decorrer no dia 21 de Janeiro de 2018, em Los Angeles.
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário