segunda-feira, 25 de outubro de 2010

An Education (2009)

.
Uma Outra Educação de Lone Scherfig é um excelente e simpático drama nomeado para três Oscars em 2010 nomeadamente Filme, Actriz e Argumento Adaptado que conta com a participação de um excelente leque de actores entre os quais se destacam Carey Mulligan (nomeada ao Oscar de Melhor Actriz), Alfred Molina, Rosamund Pike, Olivia Williams, Emma Thompson, Dominic Cooper e Peter Sarsgaard.
O filme reflete sobre uma conservadora família suburbana de Londres e, em particular, sobre a descoberta de como a vida pode ser vivida por parte da filha do casal, magnificamente interpretada por Carey Mulligan que aqui recebeu o BAFTA de Melhor Actriz do ano.
Jenny (Mulligan) encontra-se com David (Sarsgaard), um homem com o dobro da sua idade, e que através do seu charme lhe mostra o quão diferente e interessante pode ser a vida para além dos estudos e dos objectivos que já haviam sido previamente definidos.
David mostra a Jenny uma vida de glamour, aventura, emoção e de experiências novas que, para uma jovem de 16 anos numa Londres dos anos 60 em que se viviam as grandes revoluções sociais e culturais eram, obrigatoriamente, apelativas.
No entanto, com o tempo, percebemos que David e o seu estilo de vida algo "inovador" não são assim tão moralmente correctos ou lícitos e começamos a questionar o verdadeiro intuito dos seus objectivos para com Jenny.
Este filme que tem vários pontos fortes, tem num dos mais importantes o seu excelente elenco. O grupo de actores que o compõe, vá dos principais aos mais secundários, é sem qualquer margem para dúvidas, fenomenal. Todos eles, sem excepção, consegue cativar-nos e mostrar-nos vários feitios e comportamentos distintos entre si.
Carey Mulligan, a jovem Jenny e uma das grandes revelações do ano, tem aqui o papel forte e determinante de todo o filme. A sua composição mostra-nos uma jovem sensível mas ao mesmo tempo curiosa e determinada que pretende saber mais e melhor sobre o mundo que a rodeia. Confirmar o que conhece e conhecer novos locais, novas pessoas e novos ambientes e estilos de vida.
A dar vida ao seu parceiro de aventuras temos David (Peter Sarsgaard) que para seduzi Jenny mostra-lhe o mundo que ela realmente quer conhecer. O mundo das festas, das viagens, dos conhecimentos e da folia. Um mundo diferente daquele que ela conhecera até então.
Como secundários temos actores de peso como é o caso de Alfred Molina que interpreta o conservador pai de Jenny que apenas a quer ver ou a estudar numa Universidade importante ou então casada com um marido que trate dela. Temos Emma Thompson no papel da directora do colégio onde Jenny se encontra, igualmente conservador, e que apenas quer preparar as jovens estudantes para uma vida igualmente conservadora em que todos os prazeres da vida devem ser reprimidos. No papel da professora compreensiva e que dá bons conselhos temos Olivia Williams. Não só tenta aconselhar os melhores caminhos como, na altura de escolher o pior, está lá para amparar e tentar guiar e orientar.
Em termos de elenco o filme está no seu melhor. Todos os actores, dos mais aos menos conhecidos, completam-se de uma forma harmoniosa e dão vida a um magnífico argumento da autoria de Nick Hornby que foi igualmente nomeado a Oscar de Argumento Adaptado.
Argumento este baseado nas memórias de Lynn Barber que nos dão a conhecer o importante período que é a passagem da adolescência para a idade adulta. Uma altura em que todos nós pretendemos conhecer o máximo possível do mundo. Viajar. Ver. Experimentar. Conhecer. Saber o que é que está para além daquilo que nos mostram os livros ou o conhecimento já experimentado e vivido pelos outros.
É exactamente isto que Jenny pretende. Conhecer. Ver. Experimentar. Saber o que é que existe para além dos livros que lê e que existe para além das quatro paredes da sua casa ou do seu colégio, que apenas lhe apresentam aquilo que é dito como "socialmente aceitável".
Jenny quer viver. Não depender de ninguém a não ser de si. Não se anular nem como ser humano nem como mulher. Bem pelo contrário, quer afirmar-se e dizer que não precisa de depender de ninguém para poder vencer e ser alguém na vida mesmo com os erros que poderá ter de cometer para seguir esse caminho e atingir os seus objectivos.
Magnífico filme que, assumo, constituiu uma enorme surpresa para mim mas que, levado pela enorme curiosidade que tinha a seu respeito, mostrou ser um dos melhores e mais sentidos filmes que vi ultimamente, e que sem sombra de dúvidas, merece ser visto, apreciado e admirado.
.
.
"Jenny: If you never do anything, you never become anyone."
.
9 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário