sexta-feira, 30 de maio de 2014

The Whisper and the Night (2014)

.
The Whisper and the Night de Miguel De é uma curta-metragem portuguesa de ficção que nos conta a história de Helen (Helena Bento) uma jovem rapariga com uma vida aparentemente banal que passa pelos dias sem que nada de extraordinária lhe aconteça. E tudo isto contado por uma estranha voz que parece segui-la enquanto narra esta falta de acontecimentos.
Se inicialmente somos obrigados a sentir nesta narração algo de incomodativo e pouco elaborado, é com o desenvolvimento desta curta-metragem que encontramos a resposta para tão monocórdica narração que por breves instantes nos faz parecer um documentário sobre a vida animal. E não é ao acaso que faço esta comparação entre os ilustres documentários que povoaram os ecrãs nacionais há largos anos atrás pois é quando percebemos a justificação desta narração que de facto podemos encontrar as reais semelhanças a toda a descrição de uma noite de "Helen". Os seus actos, os seus passeios mundanos e sem propósito definido como se se limitasse apenas a explorar toda uma cidade, e a sua falta de vida, que pela noite parece tão desinteressante como aquilo que nos é relatado da vida desta jovem rapariga.
Assim The Whisper and the Night começa por levantar as suspeitas sobre o seu fundamento e sentido mas, aos poucos, somos surpreendidos com um verdadeiro sopro de originalidade que nos relata a sentida necessidade de alguém (ou algo) em sentir... sentir um toque, sentir o próprio sentir, para dessa forma perceber se aquilo que faz dia após dia é, de facto, viver... tal como "Helen" que parece, também ela, isenta às emoções.
Miguel De, que já nos havia entregue neste último ano o magnífico O Vazio Entre Nós, tem aqui mais um trabalho original e que apela a que o espectador pense sobre a dinâmica das relações, ou da sua falta, e sobre a forma como o toque e o sentir definem de forma transformadora a essência de cada um de nós... Só pelo sentir, retemos, poderemos alguma vez saber que estamos vivos. Sem revelar nada daquilo que o espectador pode reter deste filme, há ainda que referir que este jovem realizador vai mais longe ao colocar como narrador desta curta-metragem uma personagem diferente, ambiciosa nos seus sentidos (porque afinal também os revela) e que pensa... que pensa de forma humana e (ir)racional porque também ele quer... sentir.
.

.
8 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário