segunda-feira, 11 de maio de 2015

Puño y Metal (2014)

.
Puño y Metal de Víctor Alonso Berbel é um documentário em formato de curta-metragem que fez parte da Secção Desporto da sexta edição do Piélagos en Corto - Festival Internacional de Cortometrajes de Ficción que terminou no passado dia 9 de Maio na Cantábria, em Espanha.
"Chatarras Palace" é um ginásio ilegal de Barcelona onde todos os dias se reúne um conjunto de jovens dos bairros mais populares da cidade para num espírito de união e de entrega a um variado número de causas e objectivos. Enquanto para uns este treino diário mais não é do que um veículo para a perfeição física, para outros o mesmo serve como o único reduto onde podem afirmar-se enquanto cidadãos para lá daquilo que a sua condição social pode - à partida - evidenciar transformando-os assim em homens de respeito perante os seus pares.
O ginásio assume-se assim como um lugar onde impera a violência livre e sem regras onde todos podem deixar as suas frustrações diárias e onde revelam os seus traumas e complexos de uma vida e de uma sociedade que aparenta tê-los esquecido algures no tempo não os considerando mais do que uma força de trabalho pesado que pouco lugar tem às luzes do mundo dito aceitável. Ali combatem, sobretudo, para se poderem afirmar e revelar que são tão iguais como os demais mas apenas com um número muito menor de oportunidades. Ali são tão grandes como os melhores. Ali eles são reis.
Puño y Metal é um documentário cru e que expõe muitas das frustrações de uma camada da sociedade tantas vezes ignorada... desde os emigrantes àqueles que (sobre)vivem com poucos recursos numa ambiente tantas vezes psicologicamente violento, estes desportistas apenas encontram na prática de um desporto igualmente rude o escape para resistirem a todas as adversidades com que deparam.
Com uma direcção de fotografia de Marina Amores e Marc Guanyabens Pous a p&b que realça todos os detalhes essenciais para nos fazer reflectir sobre as suas vidas, Puño y Metal é uma pequena pérola documental não só sobre o desporto em si mas principalmente sobre como este serve como a última esperança de uma comunidade que vive nas margens da sociedade.
.

.
8 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário