domingo, 27 de abril de 2014

PDL - LIS (Ponta Delgada - Lisboa) (2012)

.
PDL - LIS (Ponta Delgada - Lisboa) de Diogo Lima é um documentário português em formato de curta-metragem que nos mostra a reflexão do jovem realizador sobre o facto de regressar a casa (Ponta Delgada) depois de lá ter saído rumo a Lisboa para continuar os seus estudos.
Que relação existe com uma terra com a qual, pelos seus próprios relatos, sempre manteve um distanciamento como se dali não pertencesse? O que lhe diz sentimentalmente uma terra onde nasceu e onde toda a sua família e amigos se encontram mas que pela força do destino e das distâncias parece estar cada vez mais longe quer física quer psicologicamente?
É com estas premissas que o jovem realizador Diogo Lima nos apresenta este documentário que para além de ser um registo documental sobre os espaços e os lugares físicos é, acima disso, um registo sentimental onde o próprio procura um espaço que possa considerar seu e que de uma ou outra forma detenha a marca da sua passagem.
Se por um lado percorre os locais que o viram crescer e que estão gravados na sua memória como fazendo parte de toda a sua vida, não é menos verdade que esta viagem que faz lhe conferem um conjunto de sentimentos e sensações conflituosos entre si. Sim, é o local onde passou a sua infância, onde tem a sua família e onde formou os seus amigos mas, ao mesmo tempo, até que ponto este lugar lhe confere alguma espécie de identidade?
Assim de forma muito intimista pois acompanhamos os pensamentos de Diogo desde o primeiro instante, conhecemos a sua opinião sobre um dos elementos que poderia muito provavelmente entregar-lhe um próprio sentimento de pertença; o seu sotaque. Diogo Lima distancia-se imediatamente dele afirmando que é "a coisa mais feia de sempre". Não poderia discordar mais pois são estes simbólicos marcos que nos definem e nos entregam um certo elemento de pertença, seja lá qual fôr o local, mas por outro lado compreendo esta aversão quando o próprio revela a falta de identificação com o local que o viu nascer.
Aos poucos percebemos e identificamos também os efeitos que a própria distância física cria em Diogo quando através dos seus pensamentos percebemos que com alguns elementos da família já procura conversa de circunstância que alimente mais alguns minutos de diálogo ou com os próprios amigos, aqueles com quem possivelmente partilhou um conjunto de experiências que mais ninguém lhe poderia proporcionar, com os quais parece já não ter grandes assuntos em comum.
É esta dualidade que PDL - LIS (Ponta Delgada - Lisboa) criam no espectador deixando-o inclusive com uma ligeira sensação de que ele próprio se sente desconfortável num lugar novo e desconhecido que, por muito belo que seja ou por muitos elementos identificativos que possa eventualmente ter é, na prática, uma terra onde não queremos estar. "Aos poucos as pessoas afastam-se", diz a certa altura sobre a crescente distância que sente, mas ao mesmo tempo reconhece que os Açores são o único local onde sabe que pode recorrer pois tem lá quem lhe seja próximo, talvez o único local onde alguma vez possa dizer que está o seu "lar". Diz-se que os grandes génios, ou talvez aqueles mais conturbados, são os que vivem um grande conflito com o local de onde provêm. É nessa medida e com este pensamento como base que posso afirmar que apesar deste ser um documentário quase "amador", colocado entre aspas pois as suas reflexões denotam que de tal tem muito pouco, consegue ainda assim ser um interessante e sentido registo sobre as raízes do Homem... aquelas que o definem mesmo que lhe sejam ingratas, as que o marcam mesmo que seja involuntariamente e que mesmo não querendo lhe deixam recordações que jamais irá poder esquecer.
Íntimo e pessoal, PDL - LIS (Ponta Delgada - Lisboa) cativa pela quase involuntária emotividade com que este jovem realizador (de quem espero poder ver novos trabalhos) filma a sua terra, a sua gente e a sua família, naquele que é um sentido e bonito reencontro surpresa com quem brinda o espectador ao deixar entrar-nos dentro do seu próprio lar.
.
.
8 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário