quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Cowboy (2008)

.
.
Cowboy de Till Kleinert é uma surpreendente curta-metragem alemã que consegue impressionar pela positiva os seus espectadores.
Desconhecia a sua existência até há bem pouco tempo e quando a comecei a visionar pensei que seria mais uma curta temática que se iria inserir apenas num estilo (o seu argumento assim fazia pensar), mas que consegue e bem transformar-se em algo mais do que um trabalho para um público alvo muito específico.
Christian (Olivier Scherz) é um agente imobiliário que percorre o campo em busca de oportunidades para bons negócios e transformar antigas e abandonadas propriedades em pequenos paraísos para ricos investidores.
Ao chegar a uma grande e aparentemente isolada propriedade que não só parece abandonada como decadente encontra um jovem funcionário (Pit Bukowski) por quem ganha uma estranha empatia e obsessão desejando-o secretamente.
Quando o flirt e a desilusão estão também elas estranhamente ligadas, Christian e aquele jovem envolvem-se numa relação sexual, e de certa forma sentimental, que irá definir para sempre as suas vidas que acabam por se tornar cúmplices e dependentes no meio daquilo que pode ser para um, e foi para o outro, o maior terror das suas jovens vidas.
Inicialmente esta curta-metragem pode causar uma ideia errada sobre aquilo que ela realmente é, e deixar os mais cépticos a pensar "mais uma curta gay", onde as histórias acabam por estar mais do que repetidas em tantos outros trabalhos que já foram vistos vezes sem conta. No entanto, para aqueles que se deixam levar pela história em busca de algo diferente, certamente no seu final não irão estar arrependidos por ter investido um pouco do seu tempo a ver este trabalho que num misto de sexo, drama e terror consegue ter um final não só surpreendente como explosivo e que nos dá vontade de ter muito mais da história de terror que aqui é desenhada.
Uma curta diferente, original e bem filmada que de início estranhamos um pouco mas que já bem perto do final esperamos que não termine para breve.
.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário