sexta-feira, 12 de julho de 2013

Ent(r)e (2013)

.
Ent(r)e de Tiago Inácio é uma curta-metragem portuguesa de suspense que esteve presente na terceira edição do PFShortsFest no Teatro Rápido em Lisboa, e que nos conta a história de Simone (Vanessa Guimarães), uma sedutora mulher que consegue tudo graças à sua beleza física... Homens, fortuna e poder caem aos seus pés apenas porque ela assim o quer.
No entanto Simone tem o seu próprio segredo... O seu corpo foi concedido a uma estranha criatura (Inna Hawker) que assim pode ter uma vida afastada do seu mundo onde viveria enclausurada, e alimentar-se das presas que se entregam às suas mãos. No entanto, quando chega ao fim a passagem pelo mundo de Simone, esta criatura tem de regressar ao seu lugar e entregar um curioso artefacto que carrega no seu corpo.
Além do ambiente potencialmente negro e obscuro que nos é entregue pelo argumento de Tiago Inácio que brinca logo de início com o título da curta através da sua dupla sugestão de "ente" e "entre", ou seja, até que ponto cada um de nós lê e cria, de imediato, as suas próprias expectativas e ideias quanto ao que vamos ver das personagens relacionadas com uma eventual possessão, o que mais me fascinou nesta curta-metragem é a sua capacidade de se poder transformar numa longa-metragem de terror sério onde as diversas personagens pudessem ser mais exploradas, apresentando-nos um pouco dos seus "porquês" e dos seus passados que as transportaram até este momento. Quem será realmente "Simone", e o que a terá levado a ser a dupla face de uma criatura sedenta de sangue... E mesmo esta criatura, de onde terá surgido e a qual também será a sua história. Pontas que ficam em aberto para não só serem trabalhadas pela nossa imaginação como também para ma eventual continuidade que esta história possa vir a apresentar e que seria muito bem-vinda.
A atmosfera constantemente negra e pesada é, também ela, adensada por uma música original de Bruno de Azevedo que recria o clássico filme de terror que nos prende ao ecrã por muito difíceis que sejam as imagens a que iremos assistir, o que é ainda elaborado com a direcção de fotografia de Basil Al-Safar onde através de uma constante ausência de luz na qual os jogos de sombras, as ilusões e sugestões de movimento, nos submergem num espaço fechado do qual aparentemente não podemos sair, tornando-se assim claustrofóbico, e onde sabemos que todos irão ter finalmente o seu castigo. Destaque ainda para a direcção de arte de José Barata, que recria os espaços perfeitos para o clima ideal que um filme de terror pretende transmitir e assim do qual queremos ver muito mais, bem como para a caracterização da autoria de Sam Sheehan que consegue recriar uma criatura perfeitamente abominável a que Inna Hawker dá vida, reavivando memórias sobre a famosa "Menina de Medeiros" da saga espanhola [REC].
Gostei ainda particularmente do ar cool e sedutor que Vanessa Guimarães consegue incutir na sua "Simone", dando-lhe principalmente muita personalidade para além do facto de viver dependente da beleza e sedução que a sua femme-fatale lhe pede para conquistar tudo aquilo que quer. Nada melhor do que um momento de sedução onde percebemos que há muito cérebro à mistura, conseguindo assim suportar toda a curta-metragem do início ao final e deixando-nos vontade de querer conhecer mais da sua composição e do seu passado obscuro.
.
.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário