sexta-feira, 26 de julho de 2013

Exorsister (2012)

.
Exorsister de Tom Titulaer é uma curta-metragem de ficção holandesa que oscila entre o falso documentário e a comédia numa perfeita harmonia.
Hank (Sander Hemerijckx) é um homem apático e aparentemente desligado da realidade que o rodeia até conhecer a sua enérgica e alucinada irmã Suzanne (Nienke 's Gravemade) que o apoia na escolha que faz para a sua carreira profissional enquanto exorcista.
No entanto chega o dia em que Hank tem de passar da teoria à prática e realizar aquele que ele julga ser o seu primeiro "positivo" depara-se com uma surpresa bem maior do que aquela que ele esperava quando a rapariga possuída (Eveline Vroonland) revela que afinal não é uma simples energia "positiva" que a acompanha.
Esta curta-metragem ganha de imediato a nossa simpatia pelo seu argumento da autoria de Tiger Blam e Daan Loenen que prima pela sua temática de base de um potencial terror que, na prática, nunca chega a ser cumprido assumindo-se por sua vez como uma comédia ligeira da qual não sabemos bem o que esperar tal como podemos confirmar pelo desfecho dado à personagem "Hank" tão ou mais inesperado como a premissa de "exorcista positivo" com a qual começa, ou mesmo pelos pequenos detalhes que primam pela subtileza como os números de telefone utilizados nas "profissões" nas quais ele tenta ganhar a vida.
Hemerijckx e  Gravemade têm duas interpretações sólidas para o género, mas somos obrigados a pensar no potencial que teriam caso esta curta tivesse uma duração mais longa onde pudessem ser melhor desenvolvidas e principalmente conhecer um pouco mais do seu misterioso passado e sobre o que aconteceu para não se terem conhecido logo no início das suas vidas, assim como também é verdade que tinha sido positivo mostrar mais da jovem possuída da qual só retemos uma sentida homenagem à eterna Linda Blair que, também ela, recebe agradecimentos nos créditos finais.
Se tivesse de utilizar uma única palavra para descrever esta curta-metragem ela seria com toda a certeza, alucinada, não só pela sua extravagante premissa como pelas tão características personagens que a compõem mas com as quais simpatizamos de imediato.
.
.
7 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário