quarta-feira, 27 de julho de 2016

El Colchón (2016)

.
El Colchón de Roberto Pérez Toledo é uma curta-metragem espanhola de ficção e um dos últimos trabalhos do realizador espanhol que se prepara para estrear brevemente a sua mais recente longa-metragem Como la Espuma.
Luís (Elías González) e Ela (Verónica Moral) pretendem comprar um colchão. O casal parece distante quando, na realidade, procuram algo que os aproxime.
No seguimento de um conjunto de curtas-metragens realizadas no âmbito do dia de São Valentim, Roberto Pérez Toledo dirige este El Colchón, uma história sobre a passagem dos dias na vida de um casal que se ama mas que parece estar perdido no seio de uma rotina que os distancia.
O amor - uma constante na obra de Pérez Toledo - é aqui filmado em pouco menos de três minutos que, no entanto, captam toda a essência de um sentimento puro e presente entre um casal que percebe atravessar uma pequena turbulência que espera ultrapassar.
Um colchão... um dos símbolos de uma vida comum que aqui ganha contornos de uma potencial (in)felicidade transformando-se numa dor de cabeça para aqueles que o pretendem adquirir. Um colchão que representa um espaço comum mas com lugares "marcados" que em vez de aproximar distancia aqueles que nele se deitam. Um colchão que pode, no entanto, voltar a representar a proximidade de um casal que entende ainda ter aquela chama eterna que os impede a estar juntos e partilharem os seus momentos.
O amor filmado em breves instantes mas de uma forma pura e sentida onde os olhares assumem cumplicidades e os momentos representam toda uma vida passada - e futura - entre "Luís" e a sua mulher que precisavam de uma revitalização do seu romance... tal como nos tempos passados.
Duas inspiradas interpretações de Elías González e Verónica Moral, um argumento e uma direcção de actores inspirada que, repetindo aquilo que já referi inúmeras vezes, fazem de Pérez Toledo um realizador maior quando se trata de filmar o amor... as suas origens... os seus dissabores... e principalmente o seu sentido futuro.
.

.
8 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário