segunda-feira, 4 de julho de 2016

Prémio Lux 2016 - selecção oficial

.
Um painel de vinte e um membros nomeados pelo Parlamento Europeu que inclui Peter Bognar - distribuidor (Hungria), Mihai Chirilov - Director Artístico do Transilvania IFF (Roménia), Jose Luis Cienfuegos - Director do Sevilla European Film Festival (Espanha), Marion Döring - Produtora da Cerimónia dos EFA (Alemanha), Jakub Duszynski - Vice-Presidente Europa Distribution (Polónia), Per Ericsson - Swedish Film Institute (Suécia), Charles Gillibert - Produtor de Mustang (França), Giorgio Gosetti - Director Artístico do Venice Days Film Festival (Itália), Mathilde Henrot - Fundadora do Festival Scope (França), Ivana Ivisic - especialista em cinema e audiovisual (Croácia), Vanja Kaludjercic - Sarajevo Film Festival (Eslovénia), Yorgos Krassakopoulos - Thessaloniki Film Festival (Grécia), Paz Lázaro - Berlin Film Festival (Alemanha), Christophe Leparc - Cannes Film Festival (França), Niombo Lomba - Creative Europa - Comissão Europeia (Alemanha), Susan Newman-Baudais - Eurimages (Irlanda), Karel Och - Karlovy Vary Film Festival (República Checa), Wallie Pollé - Cinéart NEtherlands (Holanda), Iris Praefke - Europa Cinemas (Alemanha), Jonathan Romney - Sight and Sound (Reino Unido) e Mira Staleva - Sofia International Film Festival (Bulgária) divulgou hoje a selecção oficial do Prémio Lux 2016, sendo ela:
  • L'Avenir, de Mia Hansen-Løve (França/Alemanha)
  • Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira (Portugal)
  • Krigen, de Tobias Lindholm (Dinamarca)
  • Ma Vie de Courgette, de Claude Barras (França/Suíça)
  • La Pazza Gioia, de Paolo Virzì (Itália/França)
  • À Peine J'Ouvre les Yeux, de Leyla Bouzid (Bélgica/França/Tunísia)
  • Sieranevada, de Cristi Puiu (Roménia/França)
  • Suntan, de Argyris Papadimitropoulos (Grécia)
  • A Syrian Love Story, de Sean McAllister (Reino Unido)
  • Toni Erdmann, de Maren Ade (Áustria/Alemanha/Roménia)
Atribuído desde 2007 pelo Parlamento Europeu, o Prémio Lux selecciona um conjunto de filmes que chega ao coração do público Europeu. O Parlamento Europeu acredita que o cinema como meio cultural de massas, é o veículo ideal para debater sobre a Europa e o seu futuro.
A selecção oficial é composta por um conjunto de obras que ilustra o contexto social, político e cultural quotidiano que contribuem para a construção de uma identidade europeia mais forte através dos valores, diversidade e tradições da Europa com o intuito de uma maior integração.
O vencedor do Prémio Lux será revelado numa cerimónia a realizar no próximo dia 23 de Novembro, no Parlamento Europeu, em Strasbourg.
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário