quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Alien: Harvest (2019)

.
Alien: Harvest de Benjamin Howdeshell (EUA) é uma das diversas curtas-metragens elaboradas no quadragésimo aniversário da saga Alien iniciada por Ridley Scott aqui de volta ao claustro de uma nave perdida no espaço quando uma ameaça maior espreita no escuro.
Os quatro sobreviventes de uma nave perdida no espaço têm poucos minutos para chegar à cápsula de evacuação. No sensor de movimentos sabem que estão acompanhados e que o perigo espreita a todas as esquinas mas... não estarão eles na companhia de um perigo totalmente desconhecido?
Ainda que distante do ambiente claustrofóbico de Alien (1979) ou da enérgica acção de Aliens (1986) de James Cameron, este Alien: Harvest consegue nos seus escassos minutos despertar a atenção do espectador e, muito particularmente, recuperar com os seus meios que serão (certamente) mais modestos, todo um ambiente de terror que o género propõe e consegue cumprir.
Em pouco mais de nove minutos de duração, Alien: Harvest oferece ao espectador o vilão que se esconde à espera das suas presas, todo o clima de uma nave perdida e em rota de auto-destruição onde circula e reina o medo daquilo que não se revela a cada esquina e, sobretudo, todo um twist que apenas se sentira na obra de Ridley Scott nos finais dos anos '70 onde nem todos aqueles nos quais se deposita confiança a mercem de facto.
Alien: Harvest, isenta de interpretações de primeiro nível como aquela que Sigourney Weaver revelou ao grande público com a sua "Ellen Ripley" que a transformou num dos símbolos femininos de acção mais importantes da Sétima Arte consegue, no entanto, criar quatro personagens típicas do género e que marcam a curta-metragem pela sua relevância na sua dinâmica e, no fundo, no que é esperado dos actores que dão corpo e alma aos protagonistas da mesma. Da inocência à esperança num novo futuro, da desinteressada sobrevivência ao lucro fácil por detrás de cada manobra, todas estas personagens parecem ter o fim marcado de acordo com os últimos instantes da sua vivência naquela nave que, com já sabemos, não parece deixar ninguém sem que primeiro revele a sua verdadeira essência. Porque nem todas as vítimas o são e nem todos os alien são predadores injustificados, uns actuam por impulso de caçador enquanto outros pelos benefícios decorrentes das acções que determinaram o seu carácter e Alien: Harvest expõe, em título de homenagem, todos os pequenos elementos que em 1979 fizeram de Alien uma obra de culto e referência máxima por entre os filmes de ficção científica, de acção, de suspense e mesmo de terror... onde gritar não garantirá qualquer tipo de salvação possível.
De forma apaixonada e competente, com tudo aquilo que se espera do género - visualmente falando e especialmente por ser uma celebração do quadragésimo aniversário -, bem como pelo próprio ambiente de terror claustrofóbico do qual esta saga foi (é!) expoente máximo, Alien: Harvest garante ao espectador uns breves minutos que o fazem desejar que a nova entrega (longa) da saga chegue o quanto antes e que, quem sabe, Weaver regresse tão em forma como a sua "Ripley" o pede... porque não há grandes vilões sem heroínas a sério, e estes quarenta anos pedem um desfecho que o seja de verdade.
.

.
8 / 10
.

Sem comentários:

Publicar um comentário