quinta-feira, 29 de setembro de 2016

The Player (2015)

.
The Player de Carlos Guilherme Vogel é uma curta-metragem brasileira de ficção filmada em Praga, presente na competição do mês de Setembro do Shortcutz Rio de Janeiro que nos relata o breve e inesperado encontro entre Hans (Marek Zelinka), um homem inglês, e Brenda (Jana Trisková), uma americana de férias na capital checa.
Mas, e se este encontro não fosse tão inesperado como parece ser... e se a relação entre este casal tiver mais por detrás da brevidade do momento?
O realizador e também argumentista Carlos Guilherme Vogel recria uma interessante premissa onde o role play e a possibilidade de interpretar personagens ganha uma perspectiva extrema quando as personagens que aqui cria parecem querer - elas próprias - transformar a sua realidade num universo paralelo que define e distorce uma personalidade. Quem são realmente os nossos protagonistas senão as versões daquilo que os próprios querem enquanto indivíduos de um mundo anónimo, distante e pouco altruísta? Interessará ao "mundo" saber quem eles são ou, por sua vez, interessa aos próprios saber quem são aqueles que os rodeiam e que dinâmicas podem (re)criar com os mesmos possibilitando-lhes não conhecer o "outro" mas sim os diversos "eu" dentro dos próprios?
Na impossibilidade de ter uma resposta concreta sobre quem são estes dois indivíduos - aparentemente libertinos e pouco "responsáveis" -, o espectador entra numa dinâmica onde é perceptível que o melhor é acompanhá-los esperando - talvez o impossível - de saber quem eles realmente são. Hoje "Hans"... amanhã um outro qualquer nome que lhe possibilite uma aproximação a uma qualquer pessoa com quem espera desenvolver uma dinâmica mais ou menos próxima sem, no entanto, invadir o tal "eu" real - se existir - e expôr-se perante alguém com quem não aparenta querer qualquer criação de laços... ou talvez preencher um qualquer vazio que o espectador desconhece, The Player é, literalmente, um estudo sobre alguém que está desconectado do espaço e que com ele quer forçosamente criar uma empatia experimentando, pessoa a pessoa, aquela que lhe poderá trazer um nível superior de satisfação pessoal.
Quem é o "eu" sozinho no mundo... em que medida os outros relativizam (ou não) o papel do "eu" social e, mais importante, de que formam contribuem para que um relacionamento ou empatia se possa desenvolver e avançar quando o "eu" vive uma espécie de desconforto social ocultando - e até mesmo fugindo - da minha própria realidade?
Desconcertante - assumo que esperava que esta curta-metragem fosse bem mais longe no desenvolvimento das múltiplas personagens e personalidades de Marek Zelinka - e extremamente engenhoso, The Player questiona o espectador sobre o quão conhece de facto os verdadeiros "eu" daqueles com quem priva diariamente... sabendo que muito do que conhece pode ser parte de um boneco social criado para essa mesma interacção.
.

.
7 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário