sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Barba Rija (2014)

.
Barba Rija de André Murraças é uma websérie portuguesa apresentada na íntegra e em formato de curta-metragem na décima-oitava edição do QueerLisboa - Festival Internacional de Cinema Queer a decorrer no Cinema São Jorge, em Lisboa.
Seguimos a vida de três bears portugueses: Pedro (Luís Mota), António (Alexandre Gregório) e Ursão (Vitorino Demécio), três amigos que vivem em Lisboa e as suas desventuras e infortúnios amorosos.
Pedro, o romântico do grupo, vive uma desilusão amorosa enquanto luta por manter um trabalho. António, o mais racional e possivelmente o mais divertido dos três, trabalha numa ONG ligada ao HIV (onde são possivelmente desenvolvidos alguns dos segmentos mais cómicos de toda esta curta-metragem) enquanto esconde uma paixão por Ursão que é talvez o mais dominante do grupo mas, ao mesmo tempo, aquele que aparenta ter uma sensibilidade por descobrir e um passado prestes a ser revelado.
Numa Lisboa urbana e onde os novos conhecimentos podem ser uma constante, este trio de amigos prepara-se para ver as suas convicções testadas tendo sempre a amizade em comum como uma certeza.
Com um grande potencial por explorar, Barba Rija assume-se desde já como uma websérie/curta-metragem promissora dentro do género por fugir aos estereótipos a que o género em questão é tantas vezes remetido como também por demonstrar uma capacidade criativa que emerge o espectador num ambiente que por um lado vive de muita comédia como também abre porta para os dramas de uma vida com problemas comuns a todos.
Desde os problemas sentimentais passando por segredos do passado que acabam por bater às suas portas, os três principais intervenientes de Barba Rija brindam o espectador com um conjunto de situações que nos levam a simpatizar com as suas histórias bem como para aquilo que cada um delas pode esconder por detrás de um aparente rosto sorridente. Se uns podem simpatizar com as crises de identidade sentidas por "Pedro", não é menos verdade que o amor vivido em segredo de "António" ou uma aparente afectividade escondida por detrás de um rosto mais austero de "Ursão" irão certamente despertar a curiosidade de outros.
Ainda que Luís Mota tenha uma interpretação mais frágil e aquela que necessita de mais trabalho para se tornar mais credível, não deixa de esconder um elemento cómico que poderia ser mais explorado e dar uma nova vida ao seu "Pedro" sendo que, no entanto, tanto Alexandre Gregório como Vitorino Demécio encarnam as duas personagens com um maior potencial e um "passado" a ser explorado e que entregariam com toda a certeza uma curta-metragem mais intensa e rica pelas expectativas que aqui foram criadas com as mesmas.
A falta de fundos, ou pelo menos aquela que tanto condiciona a realizam de trabalhos mais sólidos e desenvolvidos, também afectou a produção de Barba Rija que se desenvolveu graças a crowdfunding. No entanto não é menos verdade que este projecto prova - ainda que com os seus escassos recursos - que existe não só todo um potencial por explorar e desenvolver as respectivas histórias que aqui (todos sentem) ficaram por contar dando assim uma continuidade às desventuras pessoais e amorosas do trio de amigos como é uma aposta ganha com o confirmado interesse de um público curioso.
No final, Barba Rija deixa o espectador com um sorriso no rosto - seja ou não o seu género preferido de filme - com uma aguçada curiosidade nos "what if" de algumas das suas personagens e a confirmação de que existe todo um potencial (talvez não o dinheiro) de se tornar num projecto que não deveria ficar por aqui e que mesmo com muitas arestas a precisarem ser "limadas", o sucesso junto do público seria, certamente, imediato.
.
.
6 / 10
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário